Monthly Archives: February 2014

Friboi e Roberto Carlos: essa decepção é nossa!


Depois do sucesso de branding da JBS com a Friboi, Roberto Carlos estrela campanha esquisita, com péssima criação e roteiro.

A Friboi é um dos melhores cases para se discutir commodities, pois até a sua ascensão para o mercado, não se pedia carnes por marca, se comprava simplesmente pelo corte. Isso se deu graças ao excelente trabalho e investimento em confiança na marca, em que Tony Ramos fez diversos comerciais com o mote “Carne confiável tem nome”, assim, enfatizando para o consumidor exigir Friboi em todos os estabelecimentos.

Com esse grande investimento da JBS – grande rede de frigoríficos que detém a marca Friboi – a empresa pôde agregar valor a seu produto, cobrar mais caro, as vendas dispararam e fez com que revendedores também busquem credibilidade ao fornecer Friboi, açougues e restaurantes adotaram o selo da grife de carnes, atestando a sua procedência. Sem dúvidas, um trabalho fantástico.

roberto carlos friboiEntão, no início da semana passada a empresa divulgou que Roberto Carlos estrelaria a nova campanha. Pelo visto, o comercial foi feito totalmente nesta última semana e todo o dinheiro da produção foi para pagar o cachê do astro, ao analisar a qualidade da produção do comercial.

Roteiro e textos fraquíssimos e desconexos resultaram em um comercial esquisito, em que você assiste e fica meio perdido nas falas do garçom com o Roberto Carlos. Depois todos começam a rir de uma forma menos natural que um dentista falando com a filha sobre cáries em comercial de pasta de dente.

Ainda tem o fato que Roberto Carlos deixa de ser vegetariano e volta a comer carnes, o que gerou grandes críticas de seu público. Isso realmente foi ainda mais estranho e acaba sendo indelicado, pois agride quem possui essa cultura (só para acrescentar, eu não sou vegetariano, não essa a questão).

O anúncio produziu grande buzz na mídia e foi visto por milhões de pessoas, porém na minha opinião sempre que uma imagem negativa é transmitida junto à marca, não é bom. As pessoas devem lembrar-se de nossas marcas e ter simpatia, boa imagem e isso é o que traz credibilidade. Acredito também que deva sempre haver equilíbrio no investimento, quando se emprega muito dinheiro para contratar uma celebridade, não pode faltar para a produção do filme, pois o investimento se torna praticamente perdido. Como publicitário, sei que o público se identifica muito com artistas, mas não vamos perder a criatividade e a produção de um belo comercial.

Escrito por Camilo Leles

Todo mundo só quer se divertir – Volkswagen Up!

volkswagenupVolkswagen cria comercial divertido e animado para apresentar o compacto Up! ao Brasil com música dos anos 80.

Com o conceito de “Chegou o Up, tudo nele é Up!”, a montadora criou um anúncio que transforma o intervalo comercial em um momento muito mais animado com a música “Girls just want to have fun” (“Meninas apenas querem se divertir”), com versão original de Cindy Lauper em 1983. Na gravação para o comercial a palavra “girls” foi trocada por outros personagens como meninos, avôs, aeromoças e fãs de Star Wars. A intenção é transmitir que o carro não é só para o público feminino, como foi criticado sobre o modelo, mas sim para todos.

O comercial transmite muita criatividade e diversão, claramente o posicionamento do carro. Ao ver o vídeo, o espectador fica animado a vislumbrar passeios com o carro acompanhado dos amigos, família ou até sozinho. Dê um Up! E veja o comercial mais uma vez:

Curiosidade: Na versão da Tv, “fãs de Star Wars” foi alterado para “fãs de cinema”, provavelmente pelo fato da Globo não permitir inclusão de outras marcas em qualquer comercial.

Escrito por Camilo Leles